Novelas Verdades Secretas

“Careta adora um pecado”, diz diretor de “Verdades Secretas” sobre boa audiência

"Verdades Secretas" aposta na sensualidade e no pecado (Foto: Reprodução)
“Verdades Secretas” aposta na sensualidade e no pecado (Foto: Reprodução)

Se por um lado o público rejeitou as cenas sensuais e pervertidas da novela “Babilônia”, que precisou ficar mais leve para obter a aceitação dos telespectadores, por outro, a novela das 11, “Verdades Secretas”, está fazendo o maior sucesso, justamente pelas cenas polêmicas.

Escrita por Walcyr Carrasco e dirigida por Mauro Mendonça Filho, o folhetim acumula média-geral de 20 pontos, um a mais que as antecessoras no horário, mesmo indo ao ar no fim da noite e em um período em que o horário das 21h enfrenta uma grande crise de audiência.

O diretor da novela comemora o fenômeno e, em entrevista à coluna Outro Canal, ele afirma: “Tivemos retorno bom de crítica, audiência. Passamos ao largo de qualquer moralismo. A novela ao mesmo tempo que é amoral é moralista. Sendo honesto, a questão de moralidade que teve em “Babilônia” ajudou”.

Daniela Albuquerque entra para a disputa com Rodrigo Faro e Eliana

“Todo mundo achou que estávamos em tempos mais liberais. Aí vimos que era ‘opa, peraí’. Careta adora um pecado, sacou? Pensamos: vamos fazer o que é proibido, porque aí pode. Talvez no início nossa visão fosse menos moralista. E o maior público é conservador”, explica.

Diretor da novela fala sobre o sucesso (Foto: Divulgação)
Diretor da novela fala sobre o sucesso (Foto: Divulgação)

Sobre a protagonista da história, uma garota de programa, ele fala: “Humanizamos mais a Angel (Camila Queiroz). Passei a tratá-la não como uma garotinha inglesa que faz prostituição e não está nem aí. Passei a mostrar dor, culpa. Comecei a mesclar amoralidade com moralismo”.

“As novelas deviam pegar menos didatismo, menos close, menos olho lacrimejando, menos ‘overacting’. […] Aqui há uma certa vaidade da emoção. A gente é um povo que chora em hino, na hora de bater pênalti. Como se a frieza de raciocínio não ajudasse”, conta Mauro.

Ao contrário de alguns atores, que criticam o atual público da TV aberta, ele afirma: “Eu não julgo muito. Acho que o público tá cada vez mais exigente com repetições, didatismo. O público quer ir além um pouco. O público melhorou muito nos últimos anos”.

Record renova com elenco de “Os Dez Mandamentos”, que será esticada

“Qualquer reflexo de programa que não esteja funcionando é de uma mudança que nego tá querendo. Seja para o bem, para o mal, moralista ou não. [Os conservadores] estão saindo do armário, como disse a Fernanda Montenegro”, dispara o diretor.

“Sou da opinião que para ter uma boa esquerda tem que ter uma boa direita. Acho absolutamente normal ter conservadorismo, o público é esse aí mesmo. Mas também vi reações maravilhosas do beijo gay em “Amor à Vida”. Aí você vê que tem gente querendo que a dramaturgia reflita mudanças”, conta.

Novela aborda o mundo da Cracolândia (Foto: Reprodução/TV Globo)
Novela aborda o mundo da Cracolândia (Foto: Reprodução/TV Globo)

“Acho que as pessoas estão mais exigentes em relação a temas, conteúdo e narrativa. Acho que durante muito tempo o sistema novela funcionou meio que “quase tudo dava certo”. Agora tem que ralar mais.
Tem que pegar o público pela garganta”, aponta Mendonça Filho.

Flávio Canto e Dudu Azevedo disputaram a mesma mulher no Rock in Rio

E sobre o maior desafio da novela, ele coloca: “Mostrar o vício da Larissa [Grazi Massafera] em crack, sim, foi difícil. Ela lá na cracolândia é uma identificação da gente, nós pequenos burgueses lá. Botei pilha para o Walcyr fazer uma cracolândia. E a ideia foi mostrar uma visão de compaixão. Há uma ideia de que viciado em droga é marginal. É uma doença”.

Participe agora do grupo do TV FOCO no Telegram e receba tudo sobre BBB - Clique aqui

Siga o TV FOCO no Google Notícias e receba as informações bombásticas da TV e dos famosos em primeira mão - Clique Aqui!

Sobre o autor

Lucas Medeiros

Twitter: @luccasmeddeiros
Contato: lucasmedeirospaiva@gmail.com