TV Foco

Contos de Terror – Melissa – 19º Episódio

+ 16

O TEXTO ABAIXO  NÃO É RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS.

Episódio Anterior

Melissa observa Diana atentamente, como um artista quando termina uma obra de arte. Procurando os detalhes, as emoções, os sentimentos expressos em sua obra.

– Agora, só falta o Marcos.

Ela foi até seu quarto e ali trocou de roupa, pondo algo mais confortável para ir dormir. Não fazia idéia de onde Marcos estava, então iria deixar que Marcos a encontrasse no dia seguinte.

Melissa pôs um velho pijama com quadrados em tons rosas estampados, e foi para o quarto de sua mãe, deitou-se na cama de casal e esperou que o sono a pegasse e a levasse daquele lugar.

Como em um piscar de olhos, Melissa acordou, ainda era cedo, ela levantou-se da cama, cansada. E foi até a cozinha. O cadáver de Diana permanecia lá, moscas o sobrevoando e um cheiro putrefato estava no ar.

– Preciso me livrar dessa vadia. – Disse a si mesma, enquanto fazia um pouco de café.

Assim que o café ficou pronto, ela foi até a mesa e sentou-se na cadeira desocupada, passou a observar o cadáver.

Para alguém comum, seria extramente repugnante tomar um café-da-manhã com um corpo morto a sua frente, mas Melissa não era a mesma. Ela tomava aquele corpo como uma obra de arte. Era como tomar café em frente à um quadro que você mesmo pintou.

Melissa direcionou o olhar para o relógio de parede da cozinha, eram sete e sete da manhã.

– Marcos, pronto ou não, lá vou eu. – ela disse, enquanto terminava seu café e levantava-se para ir ao seu quarto.

Dessa vez, usaria algo pouco extravagante, uma vestido cinza, da própria Melissa. Ela amarrou o cabelo em um rabo-de-cavalo.

Ela estava um pouco irreconhecível, Melissa não costumava amarrar seu cabelo de forma alguma.

Saiu de casa, e começou a caminhar pela calçada. Passou pela menininha e seu cachorro e também pela casa de Diana, em frente à casa, um carro da polícia estava estacionado. Melissa passou direto.

Melissa chegou perto do colégio. Seu visual era bastante discreto, apesar de infantil. Aquelas cores cinzas combinavam com o dia que estava nublado, escuro.

Ela não chegou muito perto do portão, queria espera Marcos. Iria seduzí-lo para levá-lo à sua casa.

Como iria seduzir ele com aquele vestido de criança? Não haveria como, mas Melissa agora tinha o charme necessário para aquilo.

Melissa era a maçã proibida. Era o fruto do demônio, mas, ao mesmo tempo, a mais doce das ambrosias.

Não era a garotinha tímida de antes, era uma serpente pronta para dar o bote, mas mesmo assim, com movimentos calculados e encantadores, hipnóticos.

Marcos finalmente chegara.

– Olá. – disse Melissa aproximando, mudando o tom de voz e tirando a fita do cabelo.

– Oi. – Marcos falou, sem dar importância.

– Espera. – Era um tom sensual dessa vez, mas mesmo assim ocultando a voz.

Marcos virou-se, olhou para Melissa e gostou do que viu.

– Eu te conheço de algum lugar? – ele perguntou.

– Não, mas eu já ouvi falar de você, Marcos. Meu nome é Bell.

– Bell, é? Eu sou Marcos.

– É, eu sei. – Melissa então fez uma cara de desapontada. – Vai para a aula? Que pena! Eu queria dar uma volta com você… – E então ela voltou à seu jeito sensual.

– Er… Ah! Essa porra de aula era revisão mesmo, vamos dar uma volta. – ele disse.

Melissa aproximou-se dele e deu-lhe um beijo no rosto.

– Quer mais?

-Quero… – disse Marcos, agarrando Melissa.
-Vamos para um lugar mais calmo… – disse Melissa, dando um selinho em Marcos.
Os dois começam a camanhar, em direção a casa de Melissa.
-Você me lembra alguém… – disse Marcos, sorrindo.
-Quem? – perguntou Melissa, dando um sorriso malicioso.
-Não consigo lembrar…
-Essa pessoa fazia isso? – perguntou Melissa, beijando o pescoço de Marcos.
-Vai com calma Bell! – disse Marcos, dando risada.

Os dois já estavam na frente da casa de Melissa.
-Chegamos… – disse Melissa, sorrindo.

-Mas essa é a casa da… M-melissa? – perguntou Marcos, assustado.
Melissa agarra o braço de Marcos.

-Sentiu minha falta? Escuta aqui, seu viado, você vai fazer o que eu mandar agora… vamos entra na minha casa, e nem adianta tentar fugir, se não vai ser pior…

Marcos obedece, ele não estava entendendo, Melissa estava muito mais forte do que ele.

Os dois entram na casa, e Melissa joga Marcos numa das cadeiras da cozinha.

-Senta! – disse Melissa.
Marcos estava com medo, não sabia o que ia acontecer. Ele se vira, e tem uma surpresa ao ver alguns corpos, jogados no chão da cozinha.

Melissa, eu te amo! Me deixe sair daqui! – gritou Marcos, quase chorando.
-Você estragou a minha única chance de ser feliz… eu nunca irei te perdoar por isso, você é igual a eles, podre…

Melissa dá um tapa no rosto de Marcos, que começa a chorar, feito uma criança.

-V-você vai me amarrar aqui? – perguntou Marcos, paralisado de medo.
-Claro, mas eu reservei uma coisa muito especial para você, uma coisa que você não vai esquecer nesse seu pouco tempo de vida…

Marcos tenta correr, Melissa agarra a camiseta dele e o joga na cadeira de novo, com toda a força.

Melissa começa a amarrar Marcos, já que a corda estava em cima da mesa.
Ela pega um martelo e alguns pregos, que estava na mesa também.

Melissa pega uma das mãos de Marcos, e num só golpe, prega ela na mesa. Marcos gritava e chorava de dor, ao mesmo tempo.

19º Episódio

Melissa prega a outra mão de Marcos.
-Por favor, pare! Melissa, eu te amo e sempre vou te amar, eu nunca gostei da Diana! – gritou Marcos, chorando.

Melissa estava séria, não dizia nada.
Ela vai até a geladeira, abre e pega alguma coisa. Era a cabeça de Diana.
Melissa pega uma bandeja, e anda em direção a Marcos.

-Agora, você vai poder apreciar a vontade o lindo pescoço dela… – disse Melissa, dando um sorriso malicioso.
-Sua vagabunda depravada! O que você fez com ela?!

-Eu apenas… torturei ela o bastante para ela se afogar no próprio sangue…
Marcos chorava sem parar, Melissa pega a mesma faca que tinha cortado o pescoço de Diana.

-O-o que vai f-fazer? – perguntou Marcos, soluçando de tanto chorar.
-Vou fazer você sorrir… e acredite, será o sorriso mais doloroso de toda a sua vida…

As mãos de Marcos ainda sangravam. Melissa, com as mãos, começa a abrir a boca de Marcos e coloca a faca num dos cantos da boca dele.

-Ão farra irro! – disse Marcos, com dificuldade para falar, já que sua boca estava aberta.

-O que você disse, meu bem? – perguntou Melissa, rasgando o canto da boca de Marcos, chegando até a bochecha.

Marcos gritava de dor, o sangue quente jorrava de sua boca aberta. Melissa faz isso com o outro canto da boca de Marcos.

Ela sorri ao ver que o sangue jorrava no seu rosto.
Melissa, e-eu te a-amo… – disse Marcos, com dificuldade.
Melissa se aproxima de Marcos, e lhe dá um beijo.

Marcos sente uma corrente elétrica passando pelo seu corpo, nunca tinha sentido uma sensação igual aquela, enquanto os lábios de Melissa tocavam os seus.

-Amor, é para os fracos… – disse Melissa, começando a desamarrar Marcos.
Marcos estava muito fraco, paralisado de medo. Melissa, com o martelo, tira o pregos das mãos de Marcos.

Melissa deita Marcos no chão, e rasga sua camisa, deixando seu peitoral a mostra.
-Era assim, que eu me sentia quando eu ficava perto de você… – disse Melissa, começando a desenhar um coração no peitoral de Marcos, com a faca. Ele gritava de ódio, e dor.

Melissa, pela primeira vez, em sua série de torturas, não sabia o que fazer. Era como se sua criatividade houvesse acabado, mas ela sabia que não era isso.

Teria, Melissa, gostado de Marcos, realmente? Talvez, sentia-se culpada por estar torturando-o.

Mas não havia outro jeito. Se Marcos realmente a amasse, não teria feito o que fez. A mente de Melissa viajava em sentimentos, sentia saudade de sua mãe, amor por Marcos, ódio por Diana, Gina, Rogério e Daniel, e um vazio para com sua tia Esmeralda e seu pai.

Ela já não estava sendo a mesma criatura irracional que matara várias pessoas.

– Marcos, sinto muito, mas tenho de terminar com isso. – Enquanto ela dizia isso, algo rolou pelo rosto de Melissa, uma minúscula gota d’água.

Mas então, voltara a ser a mesma Melissa destrutiva, era hora de acabar com o sofrimento de Marcos, mas de uma maneira inesquecível.

Para que o amor que Melissa tivesse por ele, fosse lembrado por ela.

Deixou Marcos na cozinha e foi até o quarto da falecida mãe, abriu uma das gavetas do armário e tirou de lá, a foto em que estava a mãe e o pai dela, e o pai segurando ela mesma, ainda como bebê.

A mesma que ela chorara, quando sua mãe morrera.

Melissa também pegou um isqueiro e uma garrava de álcool. Molhou a foto no álcool e então voltou para a cozinha.

Derramou o resto do álcool sobre o corpo de Marcos e, então, pôs fogo na foto e a jogou no corpo de Marcos.

– Adeus, Marcos. – disse Melissa, diante dos gritos aterradores de dor de Marcos. – Adeus, mamãe. Adeus, papai.

E então, ela andou calmamente até a cadeira, sentou-se e observou o garoto a morrer queimado e lamentando-se.

Continua…

Contos de Terror – Melissa – de Segunda a sexta ás 20h00 aqui no TV Foco

Confira a audiência detalhada de todas as novelas da Globo semana a semana aqui

Siga o TV FOCO no Google Notícias e receba as informações bombásticas da TV e dos famosos em primeira mão - Clique Aqui!

Sobre o autor

Deivison Lima

Escreve sobre Televisão desde 2008