Celebridades

Celebridadesighome

Doença no cérebro, prisão e enterrado vivo: atores da Globo deixam novelas às pressas por motivos absurdos

Débora Falabella e Cíntia Falabella em “O Clone” (Foto: Divulgação/TV Globo)

Além de Débora Falabella em “O Clone”, outros famosos já precisaram deixar novelas às pressas por motivos bizarros na Globo

Muitas pessoas podem não se lembrar, mas Débora Falabella já precisou ser substituída na novela “O Clone” (2001), no ar atualmente no “Vale a Pena Ver de Novo”, da Globo. A atriz teve uma doença grave e não pode seguir nas gravações. Saiba outros casos de famosos que deixaram tramas pela metade, mesmo que temporariamente.

Débora Falabella vivia a personagem Mel em “O Clone”, que era viciada em drogas e causada diversos transtornos na família. Em um momento de extrema importância na história, a atriz contraiu meningite virótica, que fez com que ela ficasse impossibilitada de continuar nas gravações, de acordo com o TV História.

Afastada às pressas, Débora Falabella contou com uma ajuda para lá de especial: sua irmã, Cíntia Falabella. A parente gravou a cena em que Mel é levada à força para uma clínica de reabilitação. Ela se caracterizou como a irmã e deu um show de atuação na sequência. Após o retorno da titular da personagem, Cíntia ganhou outro papel no folhetim.

PRESO POLÍTICO

Mário Lago trabalhava na novela “Passo dos Ventos”, da Globo, quando foi preso por causa da ditadura militar, em 1968. Ele era ligado ao Partido Comunista e ficou temporariamente afastado dos gravações. O ator Régis Cardoso o substituiu em algumas cenas e aparecia sempre de costas.

Mário Lago em "Passo dos Ventos" (Foto: Reprodução/TV Globo)
Mário Lago em “Passo dos Ventos” (Foto: Reprodução/TV Globo)

ENTERRADO VIVO

Sérgio Cardoso era o grande ator do fim dos anos 1960 na Globo. Ele participou de novelas que ainda eram adaptações de textos estrangeiros na platinada, como “A Cabana do Pai Tomás” (1969-1970). O artista morreu em 1972, quando faltavam 28 capítulos para o fim de “O Primeiro Amor”. Seu amigo, Leonardo Villar, morto em 2020, o substituiu nos capítulos finais.

Veja também

Na época, houve um rumor de que Sérgio Cardoso havia sido enterrado vivo. O boato começou na região norte do país, em uma rádio local, e o boato rapidamente se espalhou. Até o “Fantástico” precisou falar sobre o assunto em uma reportagem no fim da década de 1970. A família chegou a desmentir várias vezes a história.

Marco Nanini e Sérgio Cardoso na novela "O Primeiro Amor", de 1972 (Foto: Reprodução/TV Globo)
Marco Nanini e Sérgio Cardoso na novela “O Primeiro Amor”, de 1972 (Foto: Reprodução/TV Globo)

 

Quem escreve

Paulo Vito

Paulo Vito é um jornalista que trabalha com celebridades desde 2017 e admira tudo o que envolve o mundo dos famosos e da televisão. Está sempre de olho no que acontece nas redes sociais e faz questão de prestar atenção nas polêmicas e novidades!

TV Foco AO VIVO Acompanhe

Comentários

Nossa política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Ler comentários