O QUE ESTÁ ACONTECENDO?!

Rombo de R$300M e expulsa do shopping Iguatemi: Mais 1 varejista amada entra em luta contra falência hoje (17)

17/05/2024 às 10h23

Por: Lennita Lee
Imagem PreCarregada
Varejista enfrenta cenário adverso em meio a "expulsão" do Shopping Iguatemi e luta contra a falência (Foto Reprodução/Montagem/Lennita/Canva/Freepik/Iguatemi)

Loja tradicional e amada por muitos brasileiros está com a “corda no pescoço” e luta para sobreviver em meio a uma crise

Uma das lojas mais tradicionais voltada a eletrodomésticos, frequentada e amada por milhares de brasileiros, está travando uma luta para conseguir sobreviver em meio a adversidades.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Telegram

Estamos falando da icônica Polishop, cuja qual foi fundada ainda em 1999, por João Appolinário, em formato de revista eletrônica pelos meios televisivos.

Vale dizer que a varejista já começou tendo suas primeiras lojas físicas fundadas nos principais shoppings da cidade de São Paulo, no ano de 2003.

Entendendo a crise até aqui …

De acordo com o Valor Econômico, essa situação ruim e conturbada já vem se arrastando desde 2022, tanto é que os sócios precisaram injetar recursos para equilibrar a estrutura de capital e de um ano e meio para cá, dezenas de lojas deficitárias já tiveram suas portas fechadas.

Receba nossas notícias diretamente no seu WhatsApp


De acordo com o portal ‘R7’, como uma tentativa de reestruturação, a empresa decidiu reduzir o número de lojas físicas abertas, caindo de 280 para apenas 122, resultando em uma redução de 158 unidades.

Veja também

Já em 2023, os shoppings de empresas como Multiplan, Iguatemi, Ancar, Saphyr e Aliansce Sonae BR Malls iniciaram ações de despejo e execuções de títulos judiciais contra a rede por conta de atrasos no pagamento de aluguéis.

Situação de despejo …

Ainda de acordo com o portal Valor, os mesmos shopping centers entraram com ações de execução de títulos judiciais contra a varejista Polishop, ainda em abril deste ano.

Desde o dia 3 de abril de 2024, logo após a entrada da ação com pedido de liminar, em São Paulo, quatro ações de execução de título ou ação monitória entraram.

As mesmas pedem pela cobrança de dívida, por parte de administradoras ou controladoras de shoppings.

Em todos os casos, os juízes não suspenderam, até o dia 12 de abril de 2024, o pedido de cobrança, apesar da medida cautelar obtida pela Polishop.

No caso da General Shopping, são dois processos requeridos por suas duas administradoras de imóveis, no valor total de R$ 1,5 milhão.

No Shopping Iguatemi, a ação de despejo a loja no condomínio Esplanada Shopping Center, em Sorocaba (SP), após dívidas no valor de R$ 255 mil.

Na Allos, a dívida de R$ 10 mil refere-se à multa, e não ao aluguel (que seria outro valor) e é devida ao Condomínio Shopping Parque Dom Pedro, o maior empreendimento de Campinas (SP).

No pedido de medida cautelar, a Justiça já designou administrador judicial para o caso, que será a Cabezón Administração Judicial. 

Mas foram suspensas as ações de despejo e execuções que impossibilitem que a empresa opere suas plataformas de marketing e tecnologia, além de antecipação de vencimento de dívidas financeiras.

Cenário cada vez pior

Ainda em crise financeira, agora em maio de 2024, a Polishop, com o nome Polimportentrou com pedido de recuperação judicial para tentar conseguir escapar da falência.

De acordo com o portal Exame, a sua dívida atual está na casa dos 300 milhões, mais precisamente a quantia de 352,1 milhões de reais.

Agora cabe à Justiça analisar o pedido de reestruturação. Caso a resposta seja positiva, a empresa entrará oficialmente em recuperação judicial e terá as suas dívidas congeladas por 180 dias, enquanto prepara um plano de reestruturação.

Ainda de acordo com o portal, ao ser procurada pela empresa a mesma afirmou que: “só irá se pronunciar após o aceite da Justiça”

Atualmente, a Polishop possui 49 lojas físicas abertas em shoppings centers e conta com quase 500 colaboradores, além da atuação no e-commerce e canal de televendas.

Quais foram os motivos apresentados pela Polishop para justificar o pedido de recuperação judicial?

Em seu pedido de reestruturação, a empresa alegou que mesmo com um nome sólido no mercado, desde que foi fundada, com as dificuldades e a mudança no cenário econômico as dificuldades acabaram sendo inevitáveis.

O primeiro desses motivo apresentado por ela foi um enfraquecemento do varejo físico entre 2015 e 2019, com o fortalecimento de lojas onlines e marketplaces. 

A empresa também alegou que a covid-19 e as restrições sanitárias impactaram no negócio da companhia.

Ainda de acordo com a empresa, o cenário provocado pela pandemia provocou uma queda de 70% do faturamento da Polimport, além dos aumentos dos custos fixos.

Com isso, a empresa passou a se deparar com dificuldades de manutenção de fluxo de caixa, sendo necessário sucessivas medidas internas para preservar as vendas e cobrir os custos fixos.

Como mencionamos logo no inicio deste texto, nos últimos dois anos, a empresa de 25 anos fechou cerca de 70% de suas lojas, todas em shoppings centers.

O encerramento das operações acarretou no aumento de despesas não recorrentes e a companhia terminou 2023 no vermelho:

“Os contratos com shoppings centers aumentaram muito nos últimos anos e o varejo atravessa um momento difícil” – afirmou o fundador João Apolinário.

Importância da Polishop:

Vale destacar que desde o seu nascimento em 1999, a empresa se empenha em facilitar a vida das pessoas por meio de soluções inovadoras e de qualidade.

Através de uma grande rede de canais de comunicação, distribuição e vendas, a Polishop consegue alcançar hoje mais de 180 milhões de brasileiros.

Sendo assim, a perda da varejista impactaria e muito a vida de milhares de consumidores que apreciam a marca.

🚨 Ex de Nahim em gu3rra com filha do cantor + Faustão e Fernanda Montenegro esnobam a Globo + Fraude de Matteus 

NOS SIGA NO INSTAGRAM

Logo do TvFoco

TV FOCO

📺 Tudo sobre TV e Famosos que você precisa saber.

@tvfocooficial

SEGUIR AGORA

Autor(a):

Meu nome é Lennita Lee, tenho 32 anos, nasci e cresci em São Paulo. Viajei Brasil afora, e voltei para essa cidade, afim de recomeçar a minha vida. Sou formada em moda pela instituição "Anhembi Morumbi" e sempre gostei de escrever. Minha maior paixão sempre foi a dramaturgia e os bastidores das principais emissoras brasileiras. Também sou viciada em grandes produções latino americanas e mundiais. A arte é o que me move ... Atualmente escrevo notícias sobre os últimos acontecimentos do cenário econômico, bem como novidades sobre os principais benefícios e programas sociais.

Utilizamos cookies como explicado em nossa Política de Privacidade, ao continuar em nosso site você aceita tais condições.