ACABOU!

Dívida de R$1 bilhão e falência decretada: O dia bomba em que grande empresa alimentícia chegou ao fim


Empresa gigantesca alimentícia teve falência decretada em meio a escândalos (Foto Reprodução/Montagem/Lennita/Tv Foco/Canva)

Empresa gigantesca no mercado alimentício acabou tendo sua falência decretada em meio escândalo que caiu como bomba

Em 2005, uma empresa gigantesca do setor alimentício acabou tendo a sua falência decretada pela Justiça, após um amontoado de dívidas e escândalos que explodiram como uma verdadeira bomba.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Telegram

Estamos falando do Frigorífico Chapecó, empresa brasileira fundada em 1952, cuja importância fazia dela uma empresa conhecida e atuante em mais de 50 países, como uma forte exportadora de carnes.

A rede também possuía oito unidades industriais, 5 mil empregados e 3 mil produtores integrados.

Escândalo

De acordo com informações divulgadas pelo  Agrolink, no ano de 1997,  o BNDES assumiu o controle geral da empresa com o apoio direto do Banco do Brasil e do Banco Bozzano Simonsen.

Receba nossas notícias diretamente no seu WhatsApp


A organização começou a ser abalada pela crise que atingia o ano de 1998, quando passou ao controle acionário da Alimbras S/A, empresa integrante do grupo econômico Macri, de origem argentina.

Veja também

O acordo estipulava igualmente a redução de uma dívida financeira, que já existia na época, de 285 milhões de dólares para 138 milhões.

Porém, conforme mencionamos acima, em agosto dos anos 2000, um dia que tinha tudo para ser corriqueiro acabou explodindo como uma verdadeira bomba em meio a um cenário que já não era dos melhores.

O frigorifico sofreu uma quebra do sigilo bancário de duas contas decretada pelo juiz Mauro Sbaraini, da 1ª Vara Federal de Cascavel (PR), a pedido do Ministério Público Federal.

Essa medida foi tomada para investigar se houve, ou não, intermediação do ex-secretário-geral da Presidência Eduardo Jorge Caldas Pereira na liberação de recursos do BNDES para o frigorífico.

Foi então, que ficou COMPROVADO que o frigorifico havia recebido o correspondente a 197 milhões de dólares do BNDES.

Fora isso, uma nova recessão iniciada no ano de 2001 (época em que ocorreram os atentados de 11 de setembro nos EUA), fez com que o preço do frango e do suíno despencasse vertiginosamente e os insumos, principalmente o milho e a soja, tiveram seus preços dolarizados.

Isso sem falar na crise econômica da Argentina que também castigava fortemente o Grupo Macri em seu país, com reflexos em suas empresas no Brasil.

O que acabou culminando em créditos cortados diante do temor de bancos e fornecedores.

No início de abril de 2003, a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle aprovou a realização de auditoria no Frigorífico Chapecó, solicitada ao Tribunal de Contas da União (TCU) pela deputada Luci Choinacki.

Segundo o Poder Judiciário de Santa Catarina, naquele mesmo ano, houve uma proposta de aquisição pela Coinbra, sociedade integrante do grupo francês Dreyfuss.

As negociações avançaram em 90%, mas os compradores desistiram do processo sem apresentar quaisquer razões. No ano seguinte, em 2004, o frigorífico começou a sua auto falência.

De acordo com o Wikipédia, em janeiro do ano de  2004 a Chapecó entrou com pedido de concordata no Fórum da Comarca de Chapecó, localizado em em Santa Catarina.

Falência decretada e ROMBO bilionário

Como consequência da crise, a empresa precisou demitir  4.700 funcionários.

Completamente sem recursos, a Frigorífico Chapecó parou de pagar os fornecedores e, por falta de estoque de milho, levou à óbito  7 milhões de frangos.

Foi aí que no dia 29 de abril de 2005, a juíza Rosane Portella Wolff, da 3ª Vara Cível de Chapecó, decretou a falência DEFINITIVA das empresas Indústria e Comércio Chapecó e Chapecó Companhia Industrial de Alimentos.

De acordo com a juíza, apesar de o BNDES assumir o comando geral da empresa com o apoio direto do Banco do Brasil e do Banco Bozzano Simonsen, no inicio de 1997, as medidas gerenciais não foram SUFICIENTES para conseguir reverter a crise da empresa que se agravou ainda mais.

E foi aí que mais um rombo veio à tona, visto que suas dívidas naquele momento já atingiam a marca de 1 bilhão de reais.

Qual foi o desfecho da Frigorífico Chapecó?

De acordo com o portal Poder Judiciário de Santa Catarina, o processo de falência da Frigorífico Chapecó, que foi considerado um dos maiores do país, teve uma decisão importante e, ate mesmo, rara em abril de 2022.

Isso porque o juízo da 3ª Vara Cível da comarca de Chapecó autorizou o pagamento dos chamados “créditos quirografários”*

(*Àqueles em que os credores não têm qualquer espécie de preferência legal ou garantia).

O processo do pedido de falência da Chapecó Alimentos tramitava já há 18 anos e já ultrapassava as 31.100 páginas.

Na época, anterior à legislação que permitia a recuperação judicial, o grupo se manifestou dizendo que possuía dívidas com quatro mil empregados, 1,3 mil pequenos e médios credores, além de 22 instituições financeiras.

🚨 Exclusivo: Bia derruba campeões do BBB e Davi 'afunda' + venda da Globo? + Eliana rival de Portiolli         

NOS SIGA NO INSTAGRAM

Logo do TvFoco

TV FOCO

📺 Tudo sobre TV e Famosos que você precisa saber.

@tvfocooficial

SEGUIR AGORA

Autor(a):

Meu nome é Lennita Lee, tenho 32 anos, nasci e cresci em São Paulo. Viajei Brasil afora, e voltei para essa cidade, afim de recomeçar a minha vida. Sou formada em moda pela instituição "Anhembi Morumbi" e sempre gostei de escrever. Minha maior paixão sempre foi a dramaturgia e os bastidores das principais emissoras brasileiras. Também sou viciada em grandes produções latino americanas e mundiais. A arte é o que me move ... Atualmente escrevo notícias sobre os últimos acontecimentos do cenário econômico, bem como novidades sobre os principais benefícios e programas sociais.