O QUE ROLOU?!

Pedido de falência e rombo de R$ 500 mi: O triste fim de operadora gigante após fracasso


Operadora de celular acabou sumindo após falência (Foto Reprodução/Montagem/Lennita/Canva)

Grande operadora de celular, sumiu do mapa deixando rastros de dívidas e reclamações após falência …

Quando falamos em operadoras de celular, logo vem em nossa mente nomes como Vivo, Claro, Tim e até mesmo da Oi, não é mesmo?

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Telegram

Porém, o que muitos não sabem, é que já existiram em nosso país outros nomes de operadoras que, apesar de serem consideradas grandes promessas, acabaram não vingando e deixaram de existir.

Uma delas é a Unicel, carinhosamente conhecida como Aeiou, cuja qual iniciou suas atividades oficialmente no ano de 2008, com a promessa de que seria uma “Gol da telefonia móvel”.

Infelizmente ela acabou sumindo do mapa após deixar um rastro de dívidas e reclamações de assinantes que ficaram no mais completo abandono.

Receba nossas notícias diretamente no seu WhatsApp


AEIOU, marca
Operadora Aeiou da Unicel (Foto: Reprodução / Internet)

Segundo o portal Valor, até mesmo a Anatel ficou sem saber do “paradeiro” da companhia.

Veja também

Em comunicado em agosto de 2011, pelo “Diário Oficial da União”, o órgão tinha declarado que a Aeiou se encontrava em “local incerto e não sabido”

A promessa

Vale destacar que a chegada no mercado da Aeiou foi lenta e sua abrangência limitava-se apenas na região metropolitana de São Paulo.

O que era um processo até que razoável para quem estudava o mercado inicialmente.

Afinal de contas, era preciso estabelecer uma base para entender a aceitação e só depois estudar os maiores passos como uma possível expansão nacional.

O modelo de negócio era mesmo uma novidade na época, uma vez que as grandes operadoras ainda não eram tão avançadas em determinadas demandas.

Segundo o portal Minha Operadora, a Aeiou fornecia o chip gratuitamente e exigia uma recarga mínima de R$ 20 para que a solicitação fosse realizada.

O trabalho era apenas na modalidade do pré-pago e não havia venda de celulares, sendo assim, o foco era mesmo a telefonia móvel.

Outra novidade que foi um verdadeiro boom, é que a “moderninha” trouxe no ano de 2008 uma operação 100% online.

Diante disso, a empresa operava de maneira bem mais otimizada, contando com apenas 60 funcionários e oferecendo um login para que o usuário acompanhasse tudo pelo site.

Anatel (Foto: Reprodução / Internet)
Anatel (Foto: Reprodução / Internet)

Informações como consumo de créditos em tempo real, atendimento, suporte e outras poderiam ser facilmente consultadas no portal web

Vale dizer que, apesar de atualmente esses serviços parecerem algo trivial, para a época, isso caiu como uma verdadeira bomba revolucionária.

Em ligação entre celulares da Aeiou, a tarifa por minuto era de R$ 0,14. Já para outras operadoras era R$ 0,63. Para telefones fixos, era possível fazer uma chamada por R$ 0,63 o minuto.

Expectativas x Realidade

No primeiro ano de operação, a expectativa era atrair 500 mil clientes aonde se estipulou uma meta de 2 milhões para bater em 2010.

Mas a Aeiou que começou efetivamente no mês de setembro, no fim daquele mês, havia conquistado somente 3.649 novos consumidores.

Um número bem baixo, mas considerado consistente de acordo com os executivos da empresa na época.

Afina de contas, a empresa se tratava de um “soft launch”, ou seja, lançamento suave, onde o início das operações funciona como uma espécie de teste, preparação de terreno para “voos maiores”.

Pensando nos dias atuais, de fato, ela teria mais êxito já que bastaria o usuário acessar o site, pedir o chip e adquirir uma recarga com o cartão de crédito ou débito para aderir ao seu plano.

Mas no ano de 2008 o Brasil possuía uma das piores conexões banda larga do mundo, conforme destacava uma pesquisa da Cisco Systems.

Além do mais, a penetração de acesso e densidade também eram menores do que nos dias atuais.

Diante do cenário, apesar de promissora, a ideia de depender e focar na internet era extremamente arriscada e culminou em situação de fracasso para a Aeiou.

A situação ficou tão delicada que a operadora cogitou em vender chips e recargas em casas lotéricas para justamente aumentar o número de clientes e fisgar os consumidores que não tinham cartão ou conta bancária.

Sumiu de vez …

Mas em 2011 tudo degringolou de vez, quando a empresa simplesmente “virou fumaça”.

Em esfera judicial, o destino da empresa, de seus acionistas e executivos também ficou no desconhecido.

Ações contra a Aeiouincluindo pedidos de falência – tramitavam com lentidão porque os oficiais de Justiça não conseguiam notificá-la.

Vale destacar que até hoje os órgãos de defesa do consumidor acumulam reclamações contra a operadora.

A operadora pertencia à família do empresário José Roberto Melo da Silva e entrou em atividade após longa disputa com a Anatel, prometendo investir US$ 120 milhões (quase 500 milhões de reais)

Ainda segundo o Portal Valor, no ano de 2010, a empresa esteve nos holofotes quando vieram à tona o escândalo de que ela teria sido favorecida pela então chefe da Casa Civil, Erenice Guerra.

Para obter uma licença de operação na faixa de 400 megahertz., José Roberto Camargo Campos, marido da ministra, era consultor da operadora

Dívidas milionárias e escândalo

Desde maio daquele ano, a Aeiou não prestou mais informações à Anatel.

Inclusive, naquele mês, a empresa tinha apenas 14.565 clientes, um número considerado irrisório pois equivale a 0,007% dos assinantes de telefonia móvel no país.

A companhia também faltou com pagamentos das  licenças adquiridas em leilões promovidos pela Anatel em 2005 e 2007 (uma outorga para atuar na Grande São Paulo e uma faixa de extensão).

Nos dois casos, a empresa pagou a parcela inicial (10% do total), mas não quitou as seis prestações restantes. O montante que ainda teria a pagar beira os R$ 100 milhões.

Por causa das dívidas, a Unicel foi inscrita no cadastro de inadimplentes do governo federal (Cadin).

Em julho de 2011, a agência exigiu a devolução de 48 dos 50 prefixos de celular que cabiam à Unicel, alegando que estavam subutilizados.

Unicel acabou se envolvendo em escândalo (Foto Reprodução/Veja)

Situação dos clientes

Como mencionamos logo no inicio desse texto, a operação da Aeiou seguiu a deixar os clientes no mais completo vácuo e, como muitos dizem “a ver navios”.

Não era mais possível entrar em contato com o atendimento da operadora e aos poucos os consumidores que conseguiam ser atendidos eram indicados a fazerem uma portabilidade para outra empresa de telefonia.

Mas o que causou o fracasso da Aeiou?

Segundo o portal Minha Operadora, além de surgir no momento errado, a Aeiou parecia despreparada quando o assunto era gestão, atuação e entrega dos serviços que foram prometidos.

Afinal a operação não condizia, em nada, com a proposta inicial apresentada pela empresa: foco, qualidade, entrega e “revolução”.

Nos dias de hoje, com a internet mais desenvolvida, é bem possível que a operadora obtivesse um outro desfecho.

Mas isso já é outra história …

🚨 Davi troca medicina por programa na TV + Piovani ESCULACHA Neymar + Mion reage a boatos de traiç@o         

NOS SIGA NO INSTAGRAM

Logo do TvFoco

TV FOCO

📺 Tudo sobre TV e Famosos que você precisa saber.

@tvfocooficial

SEGUIR AGORA

Autor(a):

Meu nome é Lennita Lee, tenho 32 anos, nasci e cresci em São Paulo. Viajei Brasil afora, e voltei para essa cidade, afim de recomeçar a minha vida. Sou formada em moda pela instituição "Anhembi Morumbi" e sempre gostei de escrever. Minha maior paixão sempre foi a dramaturgia e os bastidores das principais emissoras brasileiras. Também sou viciada em grandes produções latino americanas e mundiais. A arte é o que me move ... Atualmente escrevo notícias sobre os últimos acontecimentos do cenário econômico, bem como novidades sobre os principais benefícios e programas sociais.