O QUE ROLOU?!

R$280 milhões em dívidas e falência: O triste fim de montadora colossal ao sucumbir à crise após anos


Montadora acabou sucumbindo à falência após anos (Foto Reprodução/Montagem/Lennita/TV Foco/Blog/Canva)

Montadora gigantesca chegou ao fim após anos depois de contrair dívidas milionárias

Uma importante e colossal montadora do nosso país, acabou sucumbindo à falência após tentar continuar ativa mesmo diante de um cenário desafiador, após anos na ativa.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Telegram

Estamos falando da Gurgel Motors, fundada ainda em 1969 pelo engenheiro eletricista João Amaral Gurgel.

Segundo o portal Blocktends, Gurgel foi o primeiro brasileiro a executar uma produção 100% nacional de um veículo.

Inclusive, quando muitos achavam que seria um sonho impossível, Gurgel conseguiu lançar o seu primeiro veículo, o icônico Ipanema.

Receba nossas notícias diretamente no seu WhatsApp


Marcada na história

A Gurgel Motors surgiu em um período de quase obstinação por parte do governo em criar um parque industrial nacional, pautado em atrair indústrias estrangeiras.

Veja também

Isso porque entre os anos 60 e 70 foi um período em que marcou a ascensão dos primeiros grandes subsídios para a indústria automotiva nacional.

Isso sem falar no aumento expressivo nas obras faraônicas que levariam ao chamado “milagre brasileiro”.

Uma época longínqua em que o PIB brasileiro conseguia crescer em até 14% ao ano.

Em meio a esse cenário, o modelo Ipanema foi um verdadeiro sucesso!

Com um aspecto similar ao do Fusca, que era considerado símbolo da indústria alemã e deu origem a Volkswagen, o carro popular nacional logo evoluiu para uma nova versão, um Jipe, chamado por Gurgel de “Xavante”.

No início dos anos 80, com mais um choque do petróleo, a Gurgel colocou em seu portfólio ao menos 10 veículos, todos movidos a gasolina ou álcool.

Neste período a empresa lançou um veículo civil de passeio, com 2 portas e 3.18m de comprimento.

Porém fatores como a chegada de novos veículos no mercado, preços incompatíveis e o fato de o veículo do Gurgel ter pouca capacidade para bagagem, acabaram afastando a montadora dos consumidores que passaram a perder o interesse nos mesmos.

Levando em consideração esse custo elevado dadas as entregas, Gurgel decidiu criar o CENA, o “Carro econômico nacional”, projetado para ser um veículo extremamente barato.

Mas conflitos com a família de Ayrton Senna levaram o carro a ser rebatizado de “BR800”.

Com preço de $3 mil, o veículo podia ser comprado apenas adquirindo ações da própria Gurgel.

Na prática, a empresa buscava meios de se capitalizar, algo que ocorreu com as 8 mil unidades vendidas.

Para os compradores iniciais foi uma boa novidade, dado que 1 ano depois o veículo tinha até 100% de ágio, mas ainda assim, o veículo durou pouco …

Para piorar, nos anos 90, a aposta da Gurgel em “carros populares” encontrou a sua devida concorrência.

Isso porque o  governo de Fernando Collor abriu o mercado isentando de IPI veículos 1.0, atraindo fabricantes como a FIAT.

Começo do Fim …

Apesar da Gurgel ter conseguido bater seu recorde de vendas, ao comercializar 3.746 carros em 1991, caiu para 1.671 em 1992 devido a greve de funcionários da alfândega brasileira, o que impediu a chegada de componentes da Argentina.

Segundo a Wikipédia, com a quebra no ritmo de produção, automaticamente quebrou o fluxo de caixa da empresa e as dívidas passaram a acumular de forma exponencial.

A produção do X12 (único utilitário remanescente desde a abertura das importações no Brasil) foi reduzida drasticamente por conta de abalo entre a concorrência,

Afinal de contas a Volks contava com o modelo 181, similar ao X12, que saiu de linha porque o segundo vendia tão bem que roubou espaço do primeiro.

A marca também priorizou a fabricação dos seus carros populares (BR-800 e Supermini).

Foi no ano de 1993, que a Gurgel Motors tentou um acordo com o governador do estado do Ceará, que na época era Ciro Gomes, para salvar conseguir salvar a empresa, mas foi em vão.

Sem apoio do governo, a Gurgel não viu outra alternativa a não ser pedir pela concordata em junho daquele mesmo ano.

Conforme exposto pelo portal Blocktends, Ciro afirmou que a a história foi diferente.

A Gurgel Motors tomou um empréstimo de $3,5 milhões no Banco do Nordeste e não pagou, deixando o débito para o governo do estado quitar.

Falência

A Gurgel Motors ainda tentou mais uma vez se salvar, no ano de 1994, quando pediu ao Governo Federal um financiamento no valor de 20 milhões de dólares à empresa, o que também foi negado.

Diante de todas as negativas e já não conseguindo mais sobreviver, a fábrica foi declarada falida ainda naquele ano.

Em meio à declaração de falida pelo governo, a empresa conseguiu recorrer da decisão de decretação de falência e ficou ativa até setembro de 1996.

Seus últimos projetos foram:

Supermini 1995: Uma versão com traseira mais reta que o Supermini anterior e seria lançado nesse mesmo ano.

Motomachine: Um minicarro urbano pensado como meio de transporte; as últimas versões de Tocantins (que perdurou de 1992 a 1995) com uma ligeira mudança na grade dianteira e Carajás (sem nenhuma mudança relevante)

Motofour – De conceito similar ao Motomachine, teve um único exemplar fabricado. Durante esse período, a marca ainda produziu mais 130 veículos.

Segundo publicado pelo Jornal Folha de S.Paulo, o advogado Jaime Marangoni, nomeado pela Justiça como síndico do processo de falência, disse a sentença se baseou na situação da fábrica de Rio Claro, que estava com a produção interrompida desde dezembro de 93,.

O que configurou como um descumprimento de uma das normas da concordata.

Ele disse ainda que os relatórios mensais de produção não vinham sendo entregues à Justiça. Segundo divulgado na época por Marangoni, os bens da empresa iriam a leilão.

Marangoni disse que, após quitada a dívida trabalhista, viriam as dívidas com a União, com o Estado e municípios, as hipotecas e penhores e, por último, os credores em geral (fornecedores).

A lista de credores da empresa, segundo ele, possuíam 700 nomes.

Ao procurar declarações da época, não foram encontradas notas oficiais tampouco manifestações da própria Gurgel.

Mas o que aconteceu com a Gurgel após a sua falência?

Ainda de acordo com a Wikipédia, desde o fim da empresa, a fábrica de Rio Claro ficou nas mãos de um escritório em São Paulo.

E desde o ano de 2001 a justiça vinha tentando vender a fábrica, que enfrentava muitos furtos de peças dos carros abandonados e ainda inacabados: pelo menos 30 boletins de ocorrência foram feitos.

Após diversas tentativas de venda do terreno da fábrica e seus veículos abandonados, ela finalmente foi leiloada em 2007, por quase R$16 milhões.

O dinheiro serviu como pagamento de dívidas trabalhistas, que chegou a quase R$20 milhões.

A montadora Gurgel deixou um lastro de R$280 milhões em dívidas.

Ao longo das mais de duas décadas em operação levaram a criação de 40 mil veículos que hoje representam uma boa relíquia para colecionadores nacionais.

🚨 Davi assume uso de dinheiro doado ao RS + Globo crava desfecho do campeão + Dona Déa é DETONADA         

NOS SIGA NO INSTAGRAM

Logo do TvFoco

TV FOCO

📺 Tudo sobre TV e Famosos que você precisa saber.

@tvfocooficial

SEGUIR AGORA

Autor(a):

Meu nome é Lennita Lee, tenho 32 anos, nasci e cresci em São Paulo. Viajei Brasil afora, e voltei para essa cidade, afim de recomeçar a minha vida. Sou formada em moda pela instituição "Anhembi Morumbi" e sempre gostei de escrever. Minha maior paixão sempre foi a dramaturgia e os bastidores das principais emissoras brasileiras. Também sou viciada em grandes produções latino americanas e mundiais. A arte é o que me move ... Atualmente escrevo notícias sobre os últimos acontecimentos do cenário econômico, bem como novidades sobre os principais benefícios e programas sociais.