FIQUE LIGADO!

Ordem do Banco Central: Haddad faz alerta URGENTE sobre a poupança e isso é o que acontecerá com o dinheiro

24/06/2024 às 10h29

Por: Lennita Lee
Imagem PreCarregada
Haddad emite alerta sobre importante sobre a poupança (Foto Reprodução/Montagem/Lennita/Tv Foco/BACEN/Daniel-RamalhoAFP)

Haddad anunciou medida que atinge em cheio o valor investido na poupança

E todos os brasileiros que possuem um valor investido na poupança precisam se atentar a um novo alerta urgente feito pelo Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ainda em abril de 2024.

Isso porque a nova intenção é ampliar o crédito imobiliário, cuja medida havia sido prometida por Haddad em sua campanha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com o portal Folha Pê, o governo agora pretende fazer uma redução compulsória da poupança, ou seja, no dinheiro que precisa se manter depositado obrigatoriamente, conforme decretado pelo Banco Central (BC).

Viabilizando sonhos

Caso essa proposta saia do papel, ficará bem mais viável destinar o recurso para o financiamento da moradia, que é um dos maiores sonhos da maioria da população.

Continua após o Veja Também

Veja também

Apesar de um estudo apontar que a maior parte da população brasileira (64,6%) viver em domicílios próprios e já pagos, o percentual vem caindo desde 2016 que batia os 67,8%. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A condição de domicílio alugado inclusive aumentou, saindo de 17,3% em 2016 para 20,2% em 2022.

Entre a população mais pobre, esse percentual foi de 18,3%, 4,0 p.p acima de 2016, segundo levantamento apontado pelo Agência de Notícias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Porém, em um levantamento de 2022, foi constatado que 13,6% das pessoas que viviam em domicílios próprios, ou 9,6% do total da população, não possuíam a documentação do imóvel.

Ônus excessivo com aluguel atingia 23,3% da população residente em domicílios alugados (4,7% do total da população).

Essa vulnerabilidade atinge mais à mulher sem cônjuge com filho de até 14 anos (14,2%), os arranjos unipessoais (9,6%) e as pessoas de baixa renda (9,7%).

Até por isso essa medida se faz cada vez mais necessária.

Defesas

De acordo com o portal UOL, no dia 10 de abril, a vice-presidente de Habitação da Caixa Econômica Federal, Inês Magalhães, em declaração dada a jornalistas, chegou a dizer:

“O Banco Central exige uma retenção [depósito compulsório] e esse direcionamento estamos querendo que volte como investimento para habitação, 5%. Em vez de reter 20%, reter 15% dos depósitos para que a gente possa aumentar a oferta de crédito”

Já o Ministro das Cidades, Jader Filho, afirmou não acreditar na recuperação de perdas da caderneta de poupança e também pediu pela liberação de parte do compulsório de bancos para crédito imobiliário.

Em participação ao CNN Talks Crédito para o Brasil na manhã da última terça -feira (18/06), em Brasília, ele declarou:

“Por que não liberar parte do compulsório? Entendemos que não pode liberar a totalidade, mas porque não liberar parte disso, se temos inflação baixa e capacidade produtiva alta?”

Como podem ver no vídeo abaixo:

Mais mudanças

De acordo com o portal Folha Pê, também está nos estudos a criação de uma espécie de hedge* para estimular a venda de carteiras de financiamento habitacional no mercado.

(Hedge nada mais é que uma cobertura ou limite. No mercado ele pode ser definido como uma ferramenta de proteção contra grandes variações de preços dos ativos para a compra ou venda futura)

As medidas têm potencial para injetar no mercado R$ 300 bilhões, segundo técnicos que estão por dentro das negociações.

Fora a liberação da parcela do compulsório, também é esperado que mercado imobiliário adote o que já ocorre com empréstimo consignado e afins, aonde os bancos vendem suas carteiras no mercado.

Com isso é possível fazer o mercado secundário deslanchar para a modalidade de financiamento habitacional.

Atualmente, os contratos são corrigidos pela Taxa Referencial (TR), enquanto a troca de balcão ocorre principalmente usando o IPCA.

O governo trabalha num mecanismo para corrigir essa distorção que não envolva recursos do Tesouro Nacional.

Assim o governo consegue aproveitar a trajetória de queda da Taxa Selic e preparar o terreno para deslanchar o mercado secundário do crédito imobiliário em 2025.

O governo também pensa em mudar o papel da Empresa Gestora de Ativos (Emgea), criada ainda em 2001 cujo qual herdou contratos habitacionais da CAIXA com problemas de inadimplência, para limpar o balanço do banco.

Além de ativos da União, a empresa poderá adquirir bens e direitos dos estados e dos municípios, além de poder participar de fundos de investimentos.

Também será possível adquirir no mercado financeiro títulos de valores imobiliários e ofertar mecanismos que permitam a proteção de instituições financeiras a exposições de remuneração e prazo oriundos da concessão de crédito imobiliário.

A Emgea poderá atuar como securitizadora* a e terá o estatuto alterado.

(*empresas que compram dívidas que os consumidores têm com outra companhia)

As mudanças foram incluídas na minuta da medida provisória (MP), que institui o Programa de Redução da Pobreza, com medidas de acesso ao crédito para pequenos empreendedores.

De acordo com técnicos a par da situação, esse estímulo ao mercado secundário servirá como fonte de recursos alternativa ao FGTS, mais focado no programa Minha Casa Minha Vida e à poupança, que já tem dados sinais de que não conseguirá sustentar uma expansão do crédito imobiliário.

A liberação do compulsório da poupança é garantida?

Segundo a Folha Pê, essa liberação do compulsório da poupança ainda depende da aprovação do BC no Conselho Monetário Nacional (CMN), que reúne representantes da Fazenda e do Planejamento.

Vale destacar que a Caixa continua batendo recordes no crédito imobiliário.

No ano passado, o banco estatal fechou com R$ 185,4 bilhões em empréstimos, o maior volume da história, e com uma carteira também recorde de R$ 733,3 bilhões.

A direção da instituição avalia que é preciso encontrar soluções para aumentar as fontes de recursos para o setor.

De acordo com a InfoMoney, no dia 12 de abril, o presidente Lula reuniu ministros e secretários para discutir propostas para alavancar a oferta de crédito no País, inclusive para o setor imobiliário.

No encontro, porém, não foi discutida a proposta de redução do compulsório, segundo apurou a reportagem.

Um dos temas debatidos foi a medida provisória que fomenta o mercado secundário de recebíveis imobiliários.

Vale mencionar que essa proposta está sendo discutida com a Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

🚨 Globo desesperada com farsa de Davi + Ator de Pantanal morre + SBT confirma GERAL no canal    

Banco Central
Haddad
poupança
Lennita Lee

Autor(a):

Meu nome é Lennita Lee, tenho 32 anos, nasci e cresci em São Paulo. Viajei Brasil afora, e voltei para essa cidade, afim de recomeçar a minha vida.Sou formada em moda pela instituição "Anhembi Morumbi" e sempre gostei de escrever.Minha maior paixão sempre foi a dramaturgia e os bastidores das principais emissoras brasileiras.Também sou viciada em grandes produções latino americanas e mundiais. A arte é o que me move ...Atualmente escrevo notícias sobre os últimos acontecimentos do cenário econômico, bem como novidades sobre os principais benefícios e programas sociais.

Botão de fechar
Utilizamos cookies como explicado em nossa Política de Privacidade, ao continuar em nosso site você aceita tais condições.