TV Foco

O assassinato da TV Cultura foi premeditado

O tucanato paulista está prestes a consumar mais uma obra-prima da incompetência administrativa. O desmanche da TV Cultura está engatilhado e parece irreversível.

O comunicado oficial alega que a TV Cultura “perdeu audiência, qualidade e se tornou cara e ineficiente”. Ah, é? Perdeu quando? Nas mãos de quem?

Conseguir transformar um exemplo de TV pública em um amontoado de fracassos não é obra de um único governo. Demora anos. Eles foram perseverantes. Só não privatizaram aquilo para não dar muito na cara.

Não por acaso o governador Serra deixou na presidência da emissora um economista especializado em terra arrasada.

João Sayad não sabe a diferença entre Cocoricó e Vila Sézamo, mas aprendeu como poucos a tirar mesada de criança. E vai demitir, seja o Júlio ou o Garibaldo.

Por mais incrível que seja, a fase gloriosa da Cultura foi durante o governo Quércia. Há longínquos 20 anos, quando o presidente da Fundação Padre Anchieta era Roberto Muylaert. Então qualquer um pode.

Isso só aumenta a vergonha e desmascara o assassinato lento e premeditado que todos os sucessores perpetraram. Fleury, Covas, Alckmin, Serra. Pode botar todos no mesmo saco e jogar no Tietê que eles juraram despoluir.

Um país democrático precisa de uma boa TV pública. É uma necessidade. O Brasil tem tido governantes incapazes de promover isso. Porque eles gostam é de TV estatal. Chapa-branca.

O governo Lula também entra nessa chacina. A TV Brasil foi um sonho de alguns homens de bem enterrados vivos na vala comum do governismo. Nem chegou a nascer e já é velha.

Mas no caso da TV Cultura é diferente. Ela era boa, divertida, talentosa, inovadora. Útil. Foi deixada ao relento e morta por inanição. Por quem? Pelos que hoje dizem que vão salvá-la. Mentira.

O Provocador

R7

Confira a audiência detalhada de todas as novelas da Globo semana a semana aqui

Siga o TV FOCO no Google Notícias e receba as informações bombásticas da TV e dos famosos em primeira mão - Clique Aqui!

Sobre o autor

Redação TV Foco