Colunas Ligado na TV Opinião

OPINIÃO | Record começa a obter privilégios após forte campanha bolsonarista

Michelle e Jair Bolsonaro (Foto: Divulgação/Montagem/TV Foco)
Michelle e Jair Bolsonaro (Foto: Divulgação/Montagem/TV Foco)

Como de praxe após a vitória nas urnas, o presidente eleito é alvo de todos os veículos de comunicação, principalmente os canais abertos, os quais tentam mostrar ao seu público, por exemplo, a primeira entrevista do recém-eleito. Nessas eleições, Jair Bolsonaro cedeu entrevistas às principais emissoras televisivas; entretanto, a Record obteve vantagens, como a primeira entrevista exclusiva com o novo presidente do Brasil e também a primeira entrevista com a nova primeira-dama do país, Michelle Bolsonaro.

A edição anterior desta coluna aprofundou as razões pelas quais a Record optou por apoiar escancaradamente o candidato Jair Bolsonaro, inclusive com destaque para o comportamento ambicioso e oportunista da emissora de Edir Macedo. Dito isto, os primeiros privilégios obtidos pela Record não chegam a surpreender e só reforçam a relação bastante amigável entre o presidente eleito e a emissora da Barra Funda.

Siga o colunista Danyllo Junior

Após a apuração das urnas, a Record exibiu em seu Domingo Espetacular a primeira entrevista da nova primeira-dama a um veículo de televisão, dessa forma com exclusividade. Entre outras coisas, a entrevistada revelou detalhes de como conheceu e como é Bolsonaro dentro de casa, como marido e pai; Michelle também refutou acusações sobre a postura preconceituosa do novo presidente e aproveitou o espaço para falar de sua vontade de “fazer a diferença” na função que exercerá, com ênfase para seu envolvimento com a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), a língua usada pela maioria dos surdos dos centros urbanos brasileiros para comunicação e expressão.

Entrevista do presidente eleito à Record (Foto: Reprodução/Record)
Entrevista do presidente eleito à Record (Foto: Reprodução/Record)

Já em seu primeiro dia como presidente eleito, Jair Bolsonaro cedeu entrevista para a Record, Band, SBT, RedeTV! e Globo. Como citado anteriormente, a Record teve o privilégio de ser a primeira a exibir uma entrevista com o candidato eleito, tal como ocorreu em eleições anteriores, como de Dilma Rousseff em 2010 e 2014. Todo veículo deseja o feito da Record, por isso esse privilégio é tão comemorado por quem o alcança.

Para efeito de comparação, Bolsonaro teve entrevista ao vivo de 12 minutos ao Jornal Nacional da Globo, com perguntas de William Bonner e Renata Vasconcellos. Na Record, também ao vivo, o presidente eleito falou por mais de 30 minutos, em conversa com Eduardo Ribeiro, o qual também foi responsável pela entrevista com a primeira-dama.

Como visto, a Record tem tudo para obter muito mais vantagens no novo governo, especialmente quando se analisa a afirmação do presidente eleito de que pretende privatizar ou acabar com a TV Brasil, a rede de televisão pública brasileira pertencente à Empresa Brasil de Comunicação. Nesse cenário, a Record passa a angariar privilégios por ter feito campanha para o candidato do PSL, mesmo que isso arranhe ainda mais sua imagem por se tratar de um veículo de comunicação que deveria ser isento.

Twitter: @Ligado_na_TV  @JuniorDanyllo
Contato: danyllo@otvfoco.com.br
As opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do TV Foco

TV Foco no Youtube

Podcast TV Foco

ANÚNCIO

Conheça nosso Podcast

ANÚNCIO

site statistics