TV Foco

TV Globo ensinando Portugal a produzir novelas

Imagem
Os atores portugueses Diana Chaves e Diogo Morgado

LISBOA – Os termômetros marcam 38 graus nas ruas de Lisboa, onde o verão europeu castiga e faz suar. Mas nada disso parece alterar o humor de atores e diretores, nem mesmo das 40 pessoas da equipe técnica e dos 170 figurantes que gravam – e repetem várias vezes as mesmas cenas, entre frutas e flores – no Mercado da Ribeira, um dos mais populares da capital portuguesa. Com estreia programada para 13 de setembro, no horário nobre da SIC, “Laços de sangue” promete surpreender o público lusitano, tão acostumado às tramas brasileiras. O folhetim, que marca o início da coprodução da TV Globo com o canal português, tem movimentado diferentes cantos da cidade que fazem as vezes de cenários.

– Optamos por gravar em locações famosas de Lisboa – diz Duarte Teixeira, responsável pelas cenas externas da novela juntamente com o realizador (assim são chamados os diretores por lá) Hugo Xavier.

Foi Teixeira quem comandou a equipe no primeiro dia de gravação no mercado, há duas semanas. Apesar do figurino arejado, a atriz Débora Ghira, que já havia filmado uma sequência de briga com a vilã interpretada por Joana Santos, corria para se refrescar com um ventilador de pilha nos intervalos.

– Há uma enorme vontade de melhorar a qualidade das tramas portuguesas. E, ao trabalharmos diretamente com profissionais da Globo, podemos absorver um pouco da maneira como eles produzem suas novelas – afirma Virgílio Castelo, consultor de dramaturgia da SIC.

Imagem
Gravação com os atores Rui Santos e Maria Botelho Moniz no Parque da Fonte Luminosa, em Lisboa

O contrato entre as emissoras prevê a produção de duas tramas, sendo que a próxima será a versão lusa de um folhetim brasileiro. Apesar de ser essencialmente portuguesa, “Laços de sangue” tem forte influência da TV Globo, que oferece consultoria criativa, além de produtores, cenógrafos e aulas de interpretação neste modelo de coprodução. Em troca do know-how, a emissora brasileira ganha parte do lucro da novela com publicidade, merchandising e eventuais vendas do produto para o exterior.

– A nossa consultoria artística vai aparecer no resultado final – garante Guilherme Bokel, diretor de produção internacional da Globo, que também esteve envolvido com a novela “El clon”, versão hispânica de “O clone”, feita na Colômbia.

O público brasileiro também poderá acompanhar “Laços de sangue”, que estreia até o fim deste ano na SIC Internacional, canal disponível para assinantes da Net, Sky e Embratel. Bokel conta que a tendência atual no mercado português é a exibição de tramas locais em horário nobre. Nossos folhetins ainda fazem sucesso por lá, mas têm sido exibidos em outras faixas – “Passione”, por exemplo, vai ao ar pela SIC após as 23h, com alguns dias de atraso em relação ao Brasil.

– A produção local está tomando uma importância maior do que os produtos enlatados (novelas e séries compradas no exterior) – informa o diretor da Globo. – Por isso, hoje temos executivos da área internacional oferecendo coproduções para outras emissoras, como fizemos com a SIC.

Imagem
Gravação da novela portuguesa no Mercado da Ribeira, em Lisboa

A Globo pretende investir mais neste tipo de parceria. A próxima será com a TV Azteca, do México, que irá produzir uma versão local da novela “Louco amor”, de Gilberto Braga. O trabalho será parecido com o que está sendo realizado agora em Portugal.

– Trouxemos até uma coach que está ajudando os atores. O resultado está empolgando – explica Bokel.

Capa das revistas de celebridades em Portugal e namorada de jogador do Benfica César Peixoto, a atriz e apresentadora Diana Chaves, de 29 anos, passou pela orientação da professora brasileira Laís Corrêa.

– Não quero cair no clichê da boazinha. Laís nos ajudou a enxergar as nuances dos personagens – diz.

A história da novela gira em torno do confronto entre Inês (papel de Diana Chaves) e sua irmã, Diana (interpretada por Joana Santos), que ela julgava morta num acidente. A vilã reaparece adulta para tomar o que acha que é dela por direito.

– Crescemos vendo as novelas da Globo e essa parceria nos traz uma mais-valia – acredita Diana, de sandálias Havaianas, pouco antes de fazer uma cena na Praça da Fonte Luminosa.

A atriz começou a gravar de manhã uma sequência de romance de sua personagem com o namorado, o médico João (Diogo Morgado). Com mais de 20 produções televisivas na bagagem, Morgado enxerga “Laços de sangue” como um marco em sua carreira.

Imagem
Gravação no Mercado da Ribeira, em Lisboa

– Senti uma diferença desde o texto até a preparação dos atores. Agora os capítulos terminam com um gancho e os personagens estão interligados. Isso não é comum em nossas novelas – compara o ator, de 30 anos, que brincava nos intervalos com o fato de ter de repetir suas cenas de beijo.

A praça serviu ainda para cenas românticas entre o casal Alice (Maria Botelho Moniz, que carregava uma barriga falsa de silicone para parecer grávida) e Manuel (Rui Dantas), melhor amigo de João.

– A mentalidade brasileira é mais aberta e acho que ganhamos com isso – acrescenta Dantas.

A ação dos atores era acompanhada de perto pelo realizador Hugo Xavier. Ao contrário dos diretores brasileiros, que costumam gritar suas ordens nas gravações, ele repetia num tom moderado: “Está a gravar! 1, 2, 3… Silêncio”.

– Esta tem sido uma grande experiência – conta Xavier, de cabelo desgrenhado e bermuda.

Escrita pelo autor português Pedro Lopes, de 33 anos, e sob a supervisão do novelista brasileiro Aguinaldo Silva, “Laços de sangue” tem cada um de seus capítulos orçados em 55 mil euros – números modestos se comparados aos das produções globais, que chegam a ter episódios cotados em 170 mil euros.

– O olhar diferente dos brasileiros tem sido enriquecedor. Eu e Aguinaldo falamos a mesma língua. E não me refiro ao português, mas à forma de se contar uma história – explica Lopes. – Fomos às origens dos folhetins para criar uma trama de grandes amores e vinganças – promete.

Aguinaldo Silva está muito envolvido com o projeto:

– Fui chamado para ficar cinco meses com eles, mas o Pedro pode seguir me consultando – avisa.

Além do Mercado da Ribeira e da praça, a trama será gravada em outros cenários da capital. E, na semana passada, uma equipe da novela esteve no Rio de Janeiro para realizar as cenas que Inês é pedida em casamento por João.

– Teremos mais externas do que uma novela portuguesa normal – destaca Patrícia Sequeira, diretora de núcleo da SP Televisão, a produtora independente que é responsável pela realização da trama para a SIC: – Isso dá uma arejada.

* O repórter viajou a convite da TV Globo.

Confira a audiência detalhada de todas as novelas da Globo semana a semana aqui

Siga o TV FOCO no Google Notícias e receba as informações bombásticas da TV e dos famosos em primeira mão - Clique Aqui!

Sobre o autor

Redação TV Foco