Celebridades

MC Carol dá declaração chocante e polêmica e revela “medo de brancos”

MC Carol fez enorme postagem em rede social (Foto: Reprodução)
MC Carol fez enorme postagem em rede social (Foto: Reprodução)

MC Carol aproveitou a polêmica envolvendo a morte de um rapaz por um segurança no supermercado Extra para faze rum desabafo em uma rede social. Como o caso foi considerado racismo por muitas pessoas, ela revelou que sempre sofreu preconceito, principalmente na infância. Em publicação nas redes sociais, a cantora polemizou ao dizer que sempre sentiu medo de brancos.

Eu cresci sofrendo racismo e gordofobia, mais o racismo sempre foi mais pesado. Eu era chamada de macaca e cabelo de bombril quase todos dias. Eu cresci com medo, medo de brancos, de entrar em ‘ambientes de brancosa’ e dps de tantos anos eu ainda tenho alguns receios, como entrar em um restaurante caro, por exemplo. Mas o meu receio faz sentindo, porque o racismo nunca esteve tão vivo. Talvez esteja mais indireto mais ainda existe”, escreveu ela em um dos trechos.

Leia o relato completo de MC Carol:

“Esse foi um dois primeiros contatos com o racismo. Na verdade o primeiro foi no PRIMEIRO DIA DE AULA. No primeiro dia eu fui trancada no banheiro por meninas brancas! (Eu já postei sobre isso e eu fui questionada por lembrar disso tão pequena, deve ser porque quando doi muito, marca.)
Eu saí de casa feliz com meu avô e quando meu avô foi me buscar, eu pedi socorro, chorando. Cheguei em casa, logo no primeiro dia, não querendo nunca mais voltar naquele lugar.

+Com filha recém-nascida, Sabrina Sato recebe críticas por ter caído na folia e Claudia Leitte defende

Eu sai da creche da comunidade e fui para um colégio que a maioria não era de comunidade não vestiam roupas simples, não calçavam sapatos simples e não tinham mochilas simples, iguais as minhas e, eles me olhavam com nojo, implicavam com tudo, principalmente com minha mochila que as vezes eu usava por 3 anos seguidos e o meu cabelo.

Nao havia quase negros naquele colégio, eu era minoria, e os poucos negros que tinham ali, já tinham uma mente racista. Eu pedia todos os dias, desdo primeiro dia, para o meu avô me transferir de colégio, para um colégio que tivesse negros, mais o ensino ali era mais forte e ali fiquei até a 5a série, eu sofria preconceitos dos alunos, das professoras e diretoras, sempre quando acabava o ano uma professora me jogava para outra professora. Só umas 5 pessoas me tratavam bem naquele lugar. Especialmente o porteiro seu Zé, que se metia quando tentavam me bater na saída.

Mais vamos falar sobre esse dia da foto, todo mundo queria ser a noivinha e o noivinho, da festinha junina, e aí rolou umas perguntas de matemática português e tal, pra ver quem ia ser a noiva e o noivo. primeiro foi os meninos, e o noivo foi um garoto loiro da turma que acertou mais perguntas, e a noiva ficou entre eu e uma menina loira e no final eu ganhei. O menino que ia ser o noivo, não gostou nem um pouco!

+No The Voice Kids, criança canta chorando, não desafina e deixa jurados emocionados

Minha Vó com todo carinho, mesmo sem dinheiro pediu pra fazer esse vestido, Dona Graça praticamente deu o vestido, eu estava muito feliz, até chegar ao colégio e, descobrir que o noivinho não ia aparecer, porque ele queria dançar com outra menina da sala e como eu era a única menina negra da turma, eu entendi tudo. Esse do meu lado é meu primo Dennys, eu não dancei, eu estava com vergonha e triste, mais pediram pra tirar foto só pra guardar de lembrança e essa foi a foto.

MC Carol relata sofrimento (Foto: Reprodução)

Eu cresci sofrendo racismo e gordofobia, mais o racismo sempre foi mais pesado. Eu era chamada de macaca e cabelo de bombril quase todos dias. Eu cresci com medo, medo de brancos, de entrar em “ambientes de brancos” e dps de tantos anos eu ainda tenho alguns receios, como entrar em um restaurante caro, por exemplo. Mas o meu receio faz sentindo, porque o racismo nunca esteve tão vivo. Talvez esteja mais indireto mais ainda existe.

Em 2015 enquanto eu gravava o reality Lucky Ladies eu sofri racismo. Eu estava com uma mulher branca e gringa do lado, a gente tinha que ir de Copa para Ipanema, na porta do prédio tinha taxi, ela entrou no táxi primeiro, eu tive que voltar pra pegar alguma coisa, quando eu fui entrar no táxi, o taxista branco me olhou no retrovisor e agressivamente gritando mandou eu descer do táxi, eu expliquei que eu estava com ela, ele saiu e abriu a porta de trás mandando eu descer, parecia que ele ia me agredir. A mulher ficou aterrorizada, sem entender, perguntando o que estava acontecendo para ele e para mim, eu expliquei que era por conta da minha cor!

Em 2018 uma amigo mandou um print de uma postagem de um cara da minha rua, dizendo que tinha 4 suspeito negros dentro de um cara de luxo X da cor Y, era eu e meu amigos entrando na minha rua de brancos. Foi ensinado pra mim, a SEMPRE ter medo por ser negra e por ser mulher. A ter medo de aceitar coisas de homens principalmente carona, a ter medo de andar a noite na rua principalmente de roupa curta, a ter medo de ficar perto da bolsa ou dinheiro de alguém, pela fato de ser negra, etc…

+Vasco x Fluminense tem confusão, Globo intervém e toma atitude inesperada ao vivo

Meu avô sempre falava isso, por eu ser negra eu tinha que estudar mt mais, tinha que ser 10 vezes melhor, em tudo. Tinha que ser super educada… meu avô falava pra eu ter cuidado porque as pessoas acostumavam acusar de roubo, pessoas de pele escura. Chegamos num ponto que a gente tem que ter medo até de entrar em um supermercado gente, que isso gente? O que está acontecendo no mundo?

Antes de fazer comentários maldosos sobre a morte de alguém, imagine se fosse o seu pai, esposo, seu irmão ou seu filho independente de ser negro ou branco, independente de lado político, só imagine, seu filho ser morto inocentemente, ser estrangulado covardemente em um supermercado! Gente o Pedro Gonzaga só morreu porque ele era NEGRO. AS CÂMERAS PROVARAM ISSO!!! Os 5 meninos da chacina de Costa Barros só morreram porque eram 5 negros dentro de um carro, Amarildo só morreu porque era negro. Meu amigo tomou tiro de fuzil na barriga 17h da tarde na porta de uma escola, porque estava acidentado de moleta, ficou entre a vida e a morte, a cor do meu amigo é negra. Eu tinha um amiguinho que foi morto com um tiro na cabeça, o nome dele era Zé ele tinha 13 anos, ele era empacotador de mercado, estava descendo o morro e mataram ele, a cor do Zé era negra e, assim vai…

Isso não é coincidência, isso é racismo e RACISMO MATA! Nao existe chacinas com meninos loiros. Homens brancos de olhos azuis não são presos e mortos porque foram confundidos. ISSO É UM ABSURDO! Nossas vidas importam!  Vidas negras importam!”

TV Foco no Youtube

Podcast TV Foco

Sobre o autor

Fernando Lopes

Escreve sobre televisão desde 2013.

ANÚNCIO

Conheça nosso Podcast

ANÚNCIO