A Dona do Pedaço Novelas

Globo ergue duas cidades cenográficas para gravações de A Dona do Pedaço com 8.400 m²

Juliana Paes (Maria Da Paz) em A Dona do Pedaço (Foto: Globo/João Miguel Júnior)
Juliana Paes (Maria Da Paz) em A Dona do Pedaço (Foto: Globo/João Miguel Júnior)

A Globo ergueu duas cidades cenográficas para as gravações de A Dona do Pedaço. As construções nos estúdios no Rio de Janeiro, que chegam a quase dez mil metros quadrados, vão representar os bairros do Bixiga e dos Jardins, onde se passam os núcleos do folhetim.

Para contar a história da trama de Walcyr Carrasco, duas cidades cenográficas foram erguidas nos Estúdios da Globo e vão reproduzir os tradicionais bairros paulistanos do Bixiga e dos Jardins. Por lá, ficam as fachadas das casas de Antero (Ary Fontoura), Marlene (Suely Franco) e Dorotéia (Rosi Campos), além de shopping, academia, restaurantes e da fábrica de bolos, que vai funcionar a pleno vapor.

O autor Walcyr Carrasco na cidade cenográfica de A Dona do Pedaço (Foto: Reprodução/Instagram)
O autor Walcyr Carrasco na cidade cenográfica de A Dona do Pedaço (Foto: Reprodução/Instagram)

Dentro da fábrica, no mezanino, fica o escritório de Maria da Paz, com uma visão geral de todo o processo de produção de seus bolos. Serão 4600m² só na parte do Bixiga e mais 3800 m² nos Jardins. “A  fábrica se destaca porque é o maior prédio das cidades cenográficas, é meio asséptica, com cores mais claras”, explica o cenógrafo Claudiney Barino.

+ A Dona do Pedaço: Família terá mistério, Caio Castro como lutador gay e transexual Britney

As gravações da novela da Globo começaram em locações no Rio Grande do Sul, mais exatamente nas cidades de Jaguarão, Nova Esperança do Sul e São Gabriel, onde a equipe e o elenco passaram cerca de 30 dias. Lá foram gravadas as principais cenas dos sítios dos Ramirez e dos Matheus, alguns conflitos entre as famílias, os primeiros encontros de Maria da Paz e Amadeu e parte do casamento, onde acontece a tragédia.

No Rio Grande do Sul, a equipe concentrou esforços em três universos: as duas fazendas das famílias e a igreja. A opção de gravar no Sul foi feita por apresentar um cenário sem relevo, um horizonte linear e céu absoluto para contar a história dessas duas famílias que vivem isoladas, na cidade fictícia de Rio Vermelho.

“Fiquei bem surpreso com essas cidades. Sou arquiteto e fiquei encantado. Essa amplitude da paisagem, com uma possibilidade infinita, céu baixo…E tem silêncio quando você se desloca de uma casa para outra, então a novela começa com um respiro. A fotografia está trabalhando esses enquadramentos”, detalha Valdy.

Ainda nas locações do Sul, incontáveis quilômetros quadrados do set foram cobertos de feno para imprimir uma paisagem árida. Esses fenos também foram trazidos para o Rio de Janeiro por conta da continuidade das cenas nos estúdios. “Recorremos aos fenos porque o verde para a gente não era o ideal. E o cenário ganhou também uma enorme e frondosa árvore cenográfica, produzida especialmente para novela, em frente à casa dos Ramirez. Essa árvore é um ícone dentro da trama”, diz Valdy.

+ A Dona do Pedaço: Globo aplica nova técnica para deixar Juliana Paes 20 anos mais jovem

A decoração das casas das famílias também recebeu um tratamento especial das equipes de direção de arte e de cenografia. Para ganhar um aspecto de envelhecidas, no caso da primeira fase, elas foram revestidas internamente com papel de parede. Foram colocadas luzes fluorescentes tanto dentro quanto fora, nas fachadas das residências. “A novela é toda pop, então há muitas lâmpadas de neon. Na primeira fase, você pensa numa relação antiga das coisas e dos objetos. Ela é moderna em um sentido maior, de combinação de estampas, texturas e luzes”, define Valdy.

Quando chega à segunda fase, em São Paulo, a novela das nove da Globo mantém a estética pop através de intervenções pontuais em locações-chave. “O apartamento da Maria da Paz, em São Paulo, tem um vermelho muito presente. A encomenda é que a gente faça um melodrama pop, por isso também decidimos trabalhar com muita estampa e alguns exageros”, garante Anne Bourgeois.

+ A Dona do Pedaço: resumo dos capítulos da novela

A primeira casa que Maria da Paz (Juliana Paes) adquire com o dinheiro de seu trabalho entrega muito de sua personalidade. Já a segunda residência, para onde ela se muda por influência de Régis (Reynaldo Gianecchini) e Josiane (Agatha Moreira), é um verdadeiro palacete, com o qual não se identifica.

“A primeira casa é exuberante como ela. É um apartamento amplo, com uma foto dela imensa na parede, peças de decoração de animais, detalhes em dourado. Não é um estilo kitsch, é over mesmo. Mas tem a cara dela, foi feita de acordo com o gosto dela, são as coisas que ela comprou”, explica Anne, para, em seguida, conceituar a outra morada da protagonista: “A mansão é decorada por um arquiteto. E, ao chegar, Maria não sabe se relacionar com aquilo tudo. Fica catatônica com o sofá caríssimo. Não entende aquele minimalismo, sequer sabe usar as louças e os acessórios do banheiro”.

ESTÉTICA POP EM A DONA DO PEDAÇO

Maria da Paz (Juliana Paes) e Amadeu (Marcos Palmeira) em A Dona do Pedaço (Foto: Globo/João Miguel Junior)
Maria da Paz (Juliana Paes) e Amadeu (Marcos Palmeira) em A Dona do Pedaço
(Foto: Globo/João Miguel Junior)

Vem das artes plásticas, da fotografia e do cinema a inspiração para a diretora artísitica Amora Mautner e equipes de direção de arte e de cenografia, que têm Valdy Lopes, Alexandre Gomes, Anne Bourgeois e Claudiney Barino à frente, desenvolverem a estética de A Dona de Pedaço. O prólogo, a primeira e a segunda fases da novela trazem referências conhecidas.

“Os Irmãos Coen estão na junção das estampas e nas questões geométricas e florais. Assim como o [David] Lynch na intensidade de cores, nos enquadramentos dos carros e na maneira de ver as estradas. Tem muita coisa que é inspirada nas fontes de onde fomos bebendo, além de juntar com a nossa imaginação”, explica o diretor de arte Valdy Lopes.

A novela A Dona do Pedaço se inicia com um prólogo, na década de 1970. Ainda no primeiro capítulo, uma passagem de tempo de cerca de 20 anos situa a trama na primeira fase. No início da segunda semana da novela no ar, outros 20 anos se passam, e a novela chega a 2019.

“Temos fases distintas e o desafio de diferenciá-las. Optamos por marcar, por exemplo, pelos carros, que são de época, assim como alguns utensílios de cozinha. Mas sem levantar uma bandeira tão datada de ‘estamos nos anos 1970, 1990 e nos 2000 atuais’. É uma passagem sutil. Mas as paletas vermelha e azul, dos Ramirez e dos Matheus, respectivamente, vão passar pela novela inteira”, conta Valdy.

+ A Dona do Pedaço: quase tragédia marca 1º encontro de Juliana Paes e Marcos Palmeira

A dualidade desses clãs protagonistas pode ser percebida através de marcações que envolvem antagonismos como quente X frio, estampado X liso. “É bem sutil. Os Matheus usam jeans escuro, marrom escuro e azul e os Ramirez, tons mais terrosos e vermelhos. Por isso, a casa deles tem o telhado vermelho, assim como as janelas são marcadas com a mesma cor. A Maria tem esse símbolo sanguíneo, vamos dizer assim. E uma coisa que unifica tudo isso é a paisagem dourada que a gente criou”, comenta Valdy.

No caso de Amadeu (Marcos Palmeira), o azul é que dá o tom no universo do personagem. “Os Matheus têm um universo mais seco do que o dos Ramirez. Maria da Paz ainda tem o calor do bolo e do fogo. A casa dele tem um marrom, um verde escuro, e a casa dela é vermelha com papel de parede de rosas vermelhas. E os objetos da casa dele são bem mais ‘secos’. A dela tem muito mais coisas, é bem mais humanizada”, compara Anne Bourgeois, que assina a cenografia da novela ao lado de Alexandre Gomes e Claudiney Barino.

A Dona do Pedaço estreia na próxima segunda-feira (20).

SIGA O TVFOCO NO INSTAGRAM E FIQUE POR DENTRO DE TUDO! CLIQUE/TOQUE AQUI.

ANÚNCIOS

ANÚNCIOS

Comentários recentes

CONHEÇA

ASSISTA!

;