Record

Record demite jornalista para proteger Bolsonaro e profissional quebra o silêncio: “O ar ficou irrespirável”

O jornalista Rodrigo Vianna foi demitido da Record por causa de Bolsonaro - Foto: Reprodução
O jornalista Rodrigo Vianna foi demitido da Record por causa de Bolsonaro – Foto: Reprodução

Rodrigo Vianna surpreendeu e fez um longo desabafo sobre a passagem pela Record, que demitiu o jornalista após criticas a Bolsonaro

Quem acompanha a Record nos últimos anos certamente percebe inclinação da linha editorial jornalística do canal ao governo do atual presidente Jair Bolsonaro. Esse tipo de posicionamento é comum no canal paulista, que também tinha o apreço do PT em relação à Globo em governos passados, a ponto de, assim como fez atualmente, exibir a primeira entrevista com a ex-presidente Dilma quando ela foi eleita.

Para quem está “do outro lado”, ou seja, não apoia a política vigente no país endossada pelo canal, fica em situação complicada. É o caso do jornalista Rodrigo Vianna, cujo posicionamento político sempre pendeu para a esquerda, o que nunca foi negado nos blogs já assinados por ele na internet. Se um dia ele já foi “posição” na Record, de uma hora para a outra virou oposição quando o canal resolveu endossar Bolsonaro.

+Roberto Carlos derruba programação da Globo e faz emissora tomar atitude drástica em plena crise

Tanto que o profissional foi demitido e resolveu desabafar sobre o ocorrido no Twitter. “Fui demitido hoje da TV Record, onde trabalhei por 13 anos. Foi um período rico, especialmente entre 2007 e 2016: matérias especiais, 2 Olimpíadas, 2 Copas do Mundo, prêmios importantes (Vladimir Herzog e Embratel, entre outros) e coberturas emocionantes. Fiz amigos do peito e aprendi muito”, iniciou ele.

Bolsonaro faz Record conquistar primeiro lugar. (Foto: Reprodução)

“Com câmeras, editores, produtores, chefes e com colegas repórteres. Gosto de fazer TV, amo jornalismo, estou há quase 30 anos nesse ofício. Mas amo mais ainda a verdade. Na fase final na Record (2016/2020), aprendi a ter paciência e resiliência quando o ar ficou irrespirável”, disse ele, dando a entender que o clima ficou ruim para ele após a saída do PT do poder.

Jornalista conseguiu conciliar

“Sempre compreendi os limites do trabalho na mídia corporativa, sem confundir meus interesses e opiniões com os do eventual patrão. Procurei também traçar um limite: não mentir, não brigar com os fatos, não embarcar em narrativas grotescas. Acreditem: há espaço para trabalhar de forma correta na mídia comercial, desde que se tenha consciência desses limites, e alguma capacidade de dizer ‘não’ quando necessário”, disse ainda o profissional.

Confira a audiência detalhada de todas as novelas da Globo semana a semana aqui

Siga o TV FOCO no Google Notícias e receba as informações bombásticas da TV e dos famosos em primeira mão - Clique Aqui!

Sobre o autor

Fernando Lopes

Escreve sobre televisão desde 2013.